Há uma maneira, ainda possível, de minorar os efeitos devastadores que a subida da temperatura global no Planeta vai ter, afirma o último relatório do Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas (IPCC, na sigla inglesa) divulgado no dia 8 de Outubro. Será preciso intensificar os esforços para concretizar as medidas previstas no Acordo de Paris, efectivamente e sem perda de tempo.

“Já estamos a ver as consequências do aquecimento global em um grau Celsius, com temperaturas mais extremas, aumento do nível do mar e diminuição do gelo do Árctico”, disse Panmao Zhai, um dos representantes do IPCC envolvido na elaboração daquele relatório.

É preciso adoptar “medidas sem precedentes” para que a temperatura global não ultrapasse os 1,5 graus Celsius. Portugal pode ser um bom exemplo, diz associação ambientalista Zero. “Serão necessárias mudanças profundas de estilo de vida, incluindo a alteração para uma dieta mais saudável e equilibrada e usar modos de transporte mais limpos.”

Filipe Duarte dos Santos, da Universidade de Lisboa, diz-se “moderadamente optimista” em relação à probabilidade de conter o aquecimento global em 1,5 graus Celsius. “Enquanto as pessoas não se convencerem [de que as alterações climáticas existem], e a maneira de isso acontecer vai ser ao sentirem-nas na pele, vamos continuar assim”, lamenta o físico.

Fonte: Público, notícia completa.