Esta campanha, lançada pelo Movimento Católico Global pelo Clima (GCCM, na sigla inglesa), continua a crescer.  Em Abril, por ocasião do Dia da Terra, foi a vez de a Comissão Nacional Justiça e Paz anunciar a sua adesão à iniciativa global, a par de dezenas de organizações por todo o mundo, como noticiou a Agência Ecclesia.

Tudo começou, conta The Guardian, com quatro organizações católicas australianas, especialmente preocupadas com a crescente degradação da barreira de corais, uma das grandes maravilhas da criação, quando fazia um ano (16 de Junho de 2016) da publicação da Laudato Si’. Lembraram então os compromissos assumidos pelos signatários do Acordo de Paris e a urgência de aqueles se traduzirem em acções. Seguiram-se outros alertas e, no dia 4 de Outubro (dia de S. Francisco de Assis), o GCCM anunciava os primeiros compromissos de desinvestimento nos combustíveis fósseis.

O Movimento Global disponibiliza no seu site muita informação sobre a campanha, assim como recursos diversos para advogar esta causa.